05/04/2009

"Para Além das Cordilheiras" - Ano de 1987






Para "Além das Cordilheiras" é o título do álbum que Fausto publica em 1987, com chancela da CBS. Depois de "Por Este Rio Acima" e de "O Despertar dos Alquimistas", Fausto já não tinha nada para provar e este trabalho vem apenas evidenciar a versatilidade criativa de um autor, compositor e intérprete de excepção da música portuguesa. Portugal e Espanha, dois países ainda não há muito saídos de prolongadas ditaduras isolacionistas, haviam sido admitidos na Comunidade Europeia a 01 de Janeiro de 1986, e Fausto, aproveitando o pretexto, concebe um álbum inspirado no encontro de um Portugal, ainda pouco europeu em vários aspectos, com a velha Europa civilizada, de além Pirenéus. É o retrato de uma nação que, perdido o império colonial, lentamente, se vira a norte mas cuja memória ainda repousa a sul. Ao longo das canções do disco, Fausto conduz o ouvinte de Lisboa a Berlim, estrada fora. O que na era de Quatrocentos e Quinhentos fora uma epopeia marítima, transforma-se neste fim de século XX na (re)descoberta de paradigmas económicos, sociais e culturais que durante séculos permaneceram distantes. Afirmando sempre a sua condição de português, Fausto liga-se mais do que nunca, ao seu continente de origem, "sem preconceitos, mas também sem cedências". Com produção de Eduardo Paes Mamede, que partilha os arranjos como o próprio compositor, Fausto interpreta nove temas, todos da sua autoria: "Lusitana", "Toda a Europa à Proa", "Foi por Ela", "Prego a Fundo", "Ali Está a Cidade", "Porque Me Olhas Assim", "Eu Cá Sou do 'Midi'", "Europa, Querida Europa", e "De Ocidente a Oriente". A execução instrumental é assinada pelo do próprio Fausto (guitarras acústicas) e por um elenco de músicos de alto gabarito: João Lucas (teclados), André Sousa Machado (bateria), Rui Luís Pereira "Dudas" (guitarras eléctricas), Pedro Casaes (baixo), Fernando Molina (percussões), Edgar Caramelo (saxofone), Tomás Pimentel (trompete), Eduardo Paes Mamede (flautas) e António Pinheiro da Silva (programação de sintetizadores), sendo os coros feitos por Rui Vaz, Fausto, João Lucas, André, Fernando Molina, Pedro Casaes e Eduardo Paes Mamede (creditado como Ed).
O disco seria distinguido com um Se7e de Ouro (na categoria de Música popular/tradicional) e com o Prémio José Afonso, logo na sua primeira edição. Zeca Afonso que contou com a estreita colaboração de Fausto na gravação de alguns dos seus álbuns, terá certamente ficado contente que tenha sido ele o primeiro nome a figurar na lista de contemplados com o Prémio de que é patrono. E se o Prémio já existisse em 1982, quando José Afonso ainda pertencia ao número dos vivos, estou certo que seria ele próprio a fazer questão que a distinção fosse para o álbum "Por Este Rio Acima", uma obra que muito apreciava e para a qual não deixou de chamar a atenção no concerto que deu no Coliseu dos Recreios, em Janeiro de 1983.

Fonte –  a nossa rádio  




Sem comentários:

Publicar um comentário